14 de setembro de 2017
Imprensa
Seduc e Rede de Proteção à Família orientam professores para a utilização de material didático

Com o intuito de dar prosseguimento às ações da Rede de Proteção à família na rede municipal de ensino, a Secretaria de Educação de Juazeiro do Norte (Seduc) realizou, na tarde de terça-feira, dia 12, uma reunião que contou com sua equipe pedagógica e os representantes da Rede. O encontro, realizado na sede da Seduc, teve como objetivo definir orientações gerais para avaliação de livros didáticos e paradidáticos utilizados por crianças do ensino infantil e fundamental, na rede municipal de ensino.

As orientações são direcionadas para a avaliação desses materiais com relação à abordagem de seus conteúdos. A ideia é que a equipe possa avaliar se os materiais didáticos possuem algum conteúdo explícito voltado para a erotização da sexualidade infantil, a partir do que reza a Constituição Brasileira.

A reunião contou com uma vídeo conferência com o Procurador Regional da República, Guilherme Schelb, de Brasília-DF, que trouxe algumas orientações para que a equipe de educadores do Município possam fazer a triagem de materiais didáticos utilizados nas escolas.

Análise de conteúdos

Segundo o Advogado Siralan Sabiá, integrante da Rede de Proteção à Família, foram identificados em todo o Brasil, alguns materiais didáticos que ferem as leis do país no que se refere à utilização com conteúdos impróprios para as faixas etárias às quais são destinadas e que a atuação da Rede de Proteção à Família visa combater esses conteúdos inadequados.

A partir de encontros e formações como esses, a Seduc visa orientar os professores para que suas práticas pedagógicas em sala de aula não sofram influência negativa de algum eventual impróprio.  A Coordenadora Pedagógica da Seduc, Carmen Lúcia Tomás Bezerra, comenta que a Secretaria de Educação acolhe com zelo e responsabilidade essa ação que conta com a parceria do Procurador Regional da República, Guilherme Schelb. A reunião contou ainda com a participação da médica e professora da faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte (Estácio FMJ), Maria Valéria Leimig Telles, coordenadora do projeto Neuroaprender.

Rede Proteção à Família

O advogado Siralan Sabiá explica que a Rede de Proteção à Família não é algo institucional e, sim, um grupo composto por profissionais, como advogados, médicos, professores e psicólogos, como também de estudantes de Medicina, Enfermagem e Direito que, na Região do Cariri, atuam em defesa da família. “Somos um grupo de pessoas do bem que pensa a questão da defesa especialmente da criança, entre 0 e 12 anos, que são as mais indefesas”, ressalta o Dr. Siralan Sabiá.


Tópicos: